segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Revisitando as Raízes



Eric Clapton - From The Cradle (1994)





A carreira de Eric Clapton é cheia de altos e baixos; depois de um período meio morno e também da morte de seu filho, Conor, em 1991, sua carreira iniciou um processo de ‘renascimento’ graças ao mega sucesso ‘Tears In Heaven’ (da trilha sonora do filme ‘Rush’), dedicada ao seu filho, continuando a escalada com o lançamento do álbum 'Unplugged MTV’, em 1992, onde revisitou várias músicas de sua carreira, inclusive em novos formatos, e que foi muito bem sucedido comercialmente.
O processo se consolidou em 1994 com o lançamento deste ‘From The Cradle’, totalmente dedicado às suas raízes blueseiras, onde ele provou que, entre as baladas e os rocks mais pops dos álbuns antecessores, continuava a ser o grande e influente guitarrista que marcou gerações de músicos e fãs.
Clapton escolheu clássicos do blues, e também alguns temas um pouco mais obscuros, convocou uma banda de primeiríssima linha e levou para o estúdio suas guitarras e seus cachorros para gravar esse disco sensacional, em um clima de total espontaneidade, sem overdubs, com a banda tocando no bom e velho sistema ‘1, 2, 3 e vamos nessa’. Um disco perfeito e que, com toda certeza, deve agradar a qualquer pessoa que goste da boa música em sua essência.

16 faixas, VBR 192/224, 97,12mb
Sharebee

3 comentários:

woody disse...

Disquinho manjado, prá lá de conhecido, mas é bom para cacete e não enjoa. É a famigerada obra prima. Um dos meus discos preferidos não só do EC, mas também no geral.

GRAVETOS & BERLOTAS disse...

E o cara só decidiu gravar esse disco pois chegou à conclusão que, apesar de ser considerado um guitarrista de blues, NUNCA HAVIA GRAVADO UM DISCO DE...BLUES!!!
É mole? Obra-prima absoluta!
[]ões

Marcello L. a.k.a. Maddy Lee disse...

Véi Woody,
é isso aí mesmo, exatamente. Há um tempo atrás eu estava sem esse disco e me deu uma puta vontade de escutá-lo, fui procurar na rede e só achei dois links funcionando, os dois em bitrate 128, então me prometi que, assim que pegasse o meu original, o colocaria aqui no blog. Promessa feita, promessa paga... rsrs
Brother Edson,
acho que ele realmente estava em dívida não só com os fãs mas também consigo mesmo, e acabou fazendo um trabalho de primeira. Por outro lado, aquele disco que ele divide com John Mayall & The Heartbreakers é, para mim, um dos melhores discos de blues de todos os tempos; então o cara já tinha um crédito pra lá de positivo.
Grande abraço.
ML