domingo, 13 de julho de 2008

A Árvore do Desejo




The Wishing Tree - Carnival Of Souls (1996)




Desde 1985 o guitarrista Steve Rothery (Marillion) acalentava a idéia de um disco solo; para realizar o projeto ele tencionava contar com a vocalista Juliane Reagan (All About Eve), mas devido aos vários compromissos de ambos nada aconteceu.
O tempo passou, até que em 1994 Rothery conheceu a belíssima vocalista Hannah Stobart, quando, após um show do Marillion, ela lhe entregou uma fita demo (onde cantava músicas de, entre outros, Tori Amos e All About Eve); ao ouvir o quanto aquela menina cantava, ele decidiu finalmente dar prosseguimento ao projeto adiado por tantos anos.
Em 1995, graças às férias que ele e seus amigos do Marillion se deram, ele e Stobart iniciaram os trabalhos contando com algumas idéias e composições que não foram aproveitadas anteriormente e, também, com a ajuda de John Helmer e Steve Hogarth (Marillion) nas letras. Para as gravações chamou o baixista e amigo de velha data Pete Trewavas e o baterista Paul Craddick (Enchant, Xen), os teclados ficaram por conta de Rothery e Craddick. Assim ficou fechada a formação da banda, e como toda banda precisa de um nome, a batizaram com o título de um filme sobre as vésperas da Revolução Russa, do diretor Tengiz Abuladze, ‘The Wishing Tree’ (também traduzido para o inglês como ‘The Tree Of Desire’). O nome do disco (‘Carnival Of Souls’) também foi tirado de um título de filme, dessa vez um filme de terror, um clássico do estilo ‘filme B’, do diretor Herk Harvey, de 1962.
As músicas do disco são bem diferentes do Marillion, mais chegadas ao Prog Folk, com muitas passagens acústicas, onde brilham a bela voz de Hannah Stobart e o extremo bom gosto de Rothery. Apesar do ótimo resultado final, o trabalho não seguiu em frente, tendo rendido somente uma ou outra apresentação esporádica, até por se tratar de um projeto paralelo; porém, nos últimos anos, Rothery deu algumas declarações onde disse que, em algum momento, dará prosseguimento ao projeto, com os mesmos participantes.
Duas curiosidades: menos de 24 horas após a mixagem final do disco, Rothery foi ‘presenteado’ com o nascimento de seu filho; algum tempo depois do lançamento do disco Craddick e Stobart se casaram (lucky bastard... rsrsrs).
Acesse aqui a página da banda no MySpace.

10 faixas, 320k, 87,73mb
Sharebee

7 comentários:

GRAVETOS & BERLOTAS disse...

Passei pra baixar os Jon Lord que me faltam e...tô levando esse de brinde!
[]ões

GRAVETOS & BERLOTAS disse...

Pô, bacaninha isso! Sobre a loirinha nem vou comentar...afff!!!
[]ões

Marcello L. a.k.a. Maddy Lee disse...

Faaaala, irmãoSinho!
Steve Rothery pode não ser um estraçalhador, mas tem um bom gosto danado, tanto nas composições quanto nas harmonias, arranjos e solos e- no final acho que isso é muito mais interessante do que 4609890296289455678 notas por segundo e, provavelmente, mais difícil também.
A loirinha, meu amigo, acho que deve ser de outro mundo, ainda mais com a voz que ela tem. O batera se deu muuuuito bem...
Abração!
ML

José Miranda disse...

Grande Maddy

Hoje acabei de ouvir os Citizen Cain com a devida etenção que eles merecem (grande som). Estou a baixar este, mas ainda tenho tanta coisa para ouvir...
Prá semana fico de férias e aí devo ter tempo para pôr as audições em dia (DUVIDO!!!!!).

Abraços e um grande obrigado por todos estes sons fantásticos que tem disponibilizado.

José Miranda

Marcello L. a.k.a. Maddy Lee disse...

Graaande Miranda!
Se depender de mim seus ouvidos não terão descanso! E haja HD!! rsrs E, meu amigo, tenho que me solidarizar: a pilha de sons que tenho que escutar só faz crescer e eu também duvido muito que consiga escutar tudo com a devida atenção...
Boas férias, 'saboreie' muitos e ótimos discos e não suma dos comentários!
Abração.
ML

Anônimo disse...

Salve Marcelo
Gosto do Marillion, uma das primeiras prog que conheci, apesar de não ser muito fã do vocalista e dos últimos trabalhos (tenho a impressão que lhes falta inspiração na composição). São excelentes instrumentistas e arranjadores: o Rothery tem realmente um tremendo bom gosto e nem precisa velocidade e o Trewavas é um baixista de 1a categoria (as linhas do baixo são muito bem feitas). Vou puxar com certeza.
Muito obrigado. Lelo.

Marcello L. a.k.a. Maddy Lee disse...

Graaande Lelo!
Quanto tempo, meu camarada!
Tenho que confessar que gosto muito do Marillion, tanto com o Fish quanto com o Steve Hogarth; concordo que com o SH tem muitas músicas que ficam aquém da capacidade deles, mas, ao mesmo tempo, eles amadureceram um estilo próprio, fugindo bastante das 'raízes Genesis' dos primeiros discos. Quanto ao Rothery costumo comparar o estilo dele com o do David Gilmour, porque ambos prezam o lado melódico; se o negócio é velocidade então é melhor escutar Steve Vai, Malmsteen, Marty Friedman, etc. Pete Trewavas é classudo pra cacete, também faz o tipo que não precisa aparecer, dsicreto, mas sempre enriquecendo a música, sem sobras desnecessárias.
É isso aí. Apareça mais vezes!
Um Abraço.
ML