quinta-feira, 30 de junho de 2011

Dead Can Dance

Eu andava meio sem idéia do que postar aqui n’O Pântano Elétrico, depois desses últimos meses sem postagens. Na verdade, estou bem satisfeito com as postagens sem textos que venho fazendo no Plano Z; tanto que até pensei em abandonar de vez o Pântano... Mas... Tem sempre um “mas” no meio do caminho! Certas coisas que acontecem podem ser vistas como sinais, algum tipo de conspiração universal, coincidência, etc, e é sempre bom estar atento a esses sinais, mesmo que sirvam somente como inspiração para alguma coisa.

E foi o que aconteceu: outro dia eu estava lendo um jornal e na seção cultural tinha uma nota dizendo que Brendan Perry, fundador do Dead Can Dance, estava em processo de composição e gravação, junto com Lisa Gerrard, de um possível novo disco, com previsão de lançamento para o ano que vem. O último disco, ‘Spiritchaser’, é de 1996, ou seja, foi lançado há “longínquos” 15 anos, e depois dele tanto Brendan Perry quanto Lisa Gerrard investiram em suas carreiras solo; Lisa ganhou um Globo de Ouro por sua colaboração na trilha sonora do filme ‘O Gladiador’ e, em 2005, ambos esboçaram um retorno do DCD (com vários shows pela Europa e Estados Unidos). Ler essas coisas me fez pensar em como tive meu primeiro contato com o som do Dead Can Dance.

Em plenos anos 80, naquela efervescência de Rock BR, New Wave, Rock In Rio, Heavy Metal, Hard Rock de laquê, anistia, abertura política, fim do regime militar, Rádio Fluminense, entre muitas outras coisas, existia também um tipo de movimento post punk bem soturno, tendo como expoente máximo a banda inglesa The Cure – eram os ‘darks’, que depois viraram ‘góticos’ -, e ‘O’ lugar dos darks nessa época, ao menos no Rio, era o Crepúsculo de Cubatão (misto de danceteria e inferninho), aonde os pré-emos davam as caras.
Fui ao Crepúsculo umas 4 ou 5 vezes e lá conheci o Pedro Smurf, tremenda figura, que virou grande amigo, mas nos deixou cedo demais, como só os bons sabem fazer... Foi ele que, num dia de pouca inspiração sonora para mim, me apresentou o Dead Can Dance. Estávamos na casa dele, fazendo uma fumaça e escutando uns roques, mas nada do que tocava me agradava; falei “eu queria ouvir alguma coisa realmente diferente do que tenho ouvido ultimamente”, e aí o cara sacou uma indefectível Basf Chrome 60 contendo as melhores músicas dos dois primeiros discos da banda. Aquilo era REALMENTE diferente do que vínhamos escutando nos últimos anos, muito à frente do seu tempo, e me conquistou no ato. De lá pra cá, o DCD jamais me decepcionou e seus álbuns se tornaram muito especiais para mim.

Voltando ao dia em que li aquela nota no jornal, fiquei viajando nessas lembranças enquanto esperava a carona pra voltar pra casa. Já no carro, Sean, o filho de 6 ou 7 anos da minha amiga Cathy, começou a nos contar um sonho (extremamente surreal e psicodélico, como só as crianças conseguem - rsrs) que teve na noite anterior, onde, entre outras coisas, zumbis dançavam numa boate sob um globo de espelhos – ops, mortos dançando?!?!? Pra completar a equação, no dia seguinte enquanto a digníssima Mrs Lee colocava meus CDs em ordem, ela perguntou “que porra de banda é essa?!?!” Era a coletânea ‘A Passage In Time’ (que, se eu não me engano, até já postei aqui). Foi aí que eu decidi que essa seria a discografia que eu iria postar no retorno às postagens no Pântano. Enfim, é sempre bom estar atento aos sinais! rsrs Detalhe: comecei a escutar todos os discos pra ver se estavam em condições para postagem e a moça acabou se rendendo aos encantos dessa porra de banda. rsrsrs

Acabei não escrevendo nada sobre o DCD, mas sobre eles há muito material a ser lido na internet; então, vou colocar uns links para aqueles que têm alguma curiosidade. Para quem ainda não conhece o DCD, posso dizer que eles fazem um tipo de world music, com uma mistura mega-eclética de sons de origens de vários lugares e épocas diferentes do mundo, seja pelas percussões acentuadamente africanas e/ou árabes, o folk com tinturas célticas e gaélicas, as influências eruditas, hindus, eurasianas e seja lá mais o que for que deve ter passado pelos ouvidos desses australianos, gerando uma música moderna e antiga ao mesmo tempo, um prog folk melancólico, bem avant-garde e de qualidade extrema, pra lá de original e totalmente inclassificável conforme os padrões do mercado.

Estão disponibilizados aqui 14 discos: os 7 oficiais de estúdio, 1 ao vivo oficial, 2 bootlegs (excelentes), 1 EP, uma coletânea oficial e duas não oficiais (com faixas nunca lançadas, raridades, etc). Agora só falta a contribuição de vocês com um comentário. Como sempre, divirtam-se!

Site Oficial
4AD
Wikipedia
Prog Archives

Links (4,78kb) – Multiupload

10 comentários:

barba falco disse...

vou olhar o som dos caras,
e uma história boa vale mais que uma resenha, afinal, melhor ouvir do que ler sobre qualquer artista!

[]'s

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Carissississíssimo Barba!
Seja bem vindo!
Concordo contigo: nada fala melhor dos artistas do que sua própria obra. Bem, existem artistas que têm a vida mais interessante do que a própria obra - dependendo do caso, isso pode ser bom ou ruim.
Espero que gostes do som.
Grande abraço.
ML

Mata disse...

bom, só posso lhe parabenizar, pelo excelente e organizado blog e por esta high postagem. tmb qnd conheci o DCD fiquei me perguntando que porra de banda é essa... mas deixei a musica deles me contaminar e entendi que as vezes a musica em si não precisa de estilo, basta o sentimento e a destreza de atingir nossa alma.
muito obrigado.

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Caríssssssssssssssssimo Mata!
Caiu matando! rsrs Suas palavras foram poucas, sucintas e perfeitas - uma ótima análise do que a boa Música pode nos dar - se nos permitirmos, é claro!
Valeu por tudo!
ML

Blanco disse...

..falae "Seu" Marcello, blz??!!

mais uma vez eu digo: !!!!KARAKAS!!!!!!

Mais um belíssimo trabalho postado neste espaço.
E veja você, até um tempo atrás, inspirado pela trilha do filme O Informante, eu até montei um "catado" do DCD, mas não chega nem aos pés deste post.
Muiiiiiiito legal poder ver a EVOLUÇÃO do trabalho da banda.
Valeu demais...!!!!!!

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Graaaaaaaaaaaande Mr Whitey!
Valeu por tudo!
Agora, meu camarada, você pode fazer um 'catado' beeeem maior!! rsrsrsrsrs
Abração!
ML

Rochacrimson disse...

Essa banda é super legal!!!
Valeu!

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Roooooooochaaaa!
Sumidaço!
Valeu!
ML

maddie0147 disse...

Hi, I came across your site and wasn’t able to get an email address to contact you. Would you please consider adding a link to my website on your page. Please email me back and we'll talk about it.

Thanks!

Madison
maddie0147@gmail.com

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Hi, Madison!
Leave the link to your website here on the comments box and if I will consider to add it on my list for sure. It only depends on what it is...

Thank you!
ML